sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Tenho tentado não me manifestar...

... mas não consigo.
Não é uma tentação , mas é um atentado o que a Igreja Católica em Portugal tem expressado e levado a público nos últimos tempos. Não que tenha lido muito sobre o assunto , porque não tenho tido tempo para isso , mas revoltam-me títulos gigantes nos jornais com o apelo da Igreja ao boicote ao voto no PS e outros partidos que defendem o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Não porque os partidos sejam credíveis para que se vote neles ( mas há que votar ) , mas pelo príncipio da coisa , pela forma como voltou a interferir nas questões políticas e como pretende gerir a sociedade. Tudo isto me assusta porque é um retrocesso. Sinto que está cada vez mais próximo um poder entre a igreja e os políticos ( geridos pelo poder económico ) a fazer lembrar quarenta longos anos que já vivemos. Esses tempos não estão longe e pressinto que estão cada vez mais perto ... o controle começa a ser sufocante ( qual é o português , aquele que vai cumprindo com as suas obrigações fiscais é claro , que não anda apavorado com o controle das finanças ? Não porque tenha cometido alguma ilegalidade , mas porque a lei das finanças está elaborada para que tenham sempre a faca e o queijo na mão , até porque nem os próprios funcionários sabem ao certo a quantas andam , mas descobrem sempre maneira de fabricar uma ilegalidade ! ) . Somos controlados de toda a maneira e feitio e como a tecnologia e o seu uso excessivo dá aso a isso ! É que não se pode mesmo dar um peido !
Andava eu irritada com tudo isto , quando esta semana me apercebi que a Igreja não contente com o que já tinha dito , vem agora também desaconselhar o casamento com mulçumanos.
Isto anda é pouco católico e como cidadã que foi baptizada e estudou num colégio de freiras , só posso dizer que lamento profundamente por todos aqueles que são católicos no seu íntimo e por vocação ( gente que trabalha em missões , que vive uma igreja aberta , das e para as pessoas ). Há uma nova velha gente , de mente obscura, que está a renascer , com força e poder ( e isso , sim , assusta-me ).
A Igreja afasta-se cada vez mais da fé ( como força de vida ) ao criar novos fantasmas ( já não bastava o celibato , a proibição de uso do preservativo, etc, etc ). Qualquer dia voltam-se a queimar “bruxas” na fogueira ( e eu serei uma delas , com certeza ) . E não tenho quaisquers dúvidas que o Vaticano se está a tornar num Reich , por muito forte que esta expressão possa parecer.
Esta Igreja é a sua própria antítese. O diabo em figura de gente , cheio de falsos puritanismos !
Sinto opressão de todos os lados , mas sobretudo económica e ideológica.
Eu estou assustada , mas não tenho medo.
Ando lixada !

2 comentários:

J.Ventura disse...

Manifesta-te, Ana . Concordo contigo , esta Igreja Catolica esta' cada vez mais retrograda.Ate os meus pais , velhotes catolicos praticantes desde sempre , estao desiludidos e confusos a acham que estas posicoes so servem para acirrar os inimigos , desencorajar os crentes lucidos e racionais e galvanizar os extremistas.
A historia do casamento dos homossexuais mostra bem a doutrina.
No dia em que me alguem me mostrar que o casamento ou uniao de pessoas do mesmo sexo pode prejudicar terceiros eu talvez pense em me opor ,mas acho completamente estupido.Alias , acho estupido logo a partida que clerigos celibatarios se achem autorizados a regular e opinar sobre quem se casa com quem.
Nao bastavam os fundamentalistas islamicos agora cada vez mais temos que aturar fundamentalistas catolicos.

Keratina disse...

Eu pessoalmente, acho que é uma falsa questão neste momento!
Quatro anos adiar o assunto e agora o dito cai de pára-quedas como se dum estandarte se tratasse.
Devem achar que andamos todos a dormir, não?! Quem é que se torna liberal em véspera de eleições?
Ninguem deveria mandar ou legislar o amor e a união de duas pessoas.
E a Igreja que obriga os seus padres a cumprir celibato, que têm de meter a "colherada" no relacionamento das pessoas? E que sabem eles do assunto? Para opinarem?!
"Adeus Mundo: cada vez pior!" - Já lá dizia a minha avó.