segunda-feira, junho 11, 2007

Amiga ...

Madrugada de 7 de Junho . Acabou o concerto dos GNR em Oeiras e tinha uma chamada tua no meu telemóvel , a horas tardias , o que não era habitual.
Apesar da azáfama pós concerto , entendi que tinha de te ligar de volta ( eram 00.45h precisamente ) e no meio de toda aquela confusão lá estivemos as duas à conversa.
A razão da tua chamada era para te despedires e deixares um beijo antes de viajares para o Canadá, o que não era habitual , pelo que apesar de ficar feliz por o teres feito , passei a noite toda com um aperto no peito que não sei explicar ... é que viajamos tanto as duas e nunca nenhuma de nós se despediu uma da outra, ainda para mais quando o regresso era para breve , já na 2ª feira.

Acordei cheia de projectos para que os dias desta semana fossem mais positivos e de forma a aproveitar o facto de não trabalhar este fim de semana.
E já com o Mário em casa , enquanto me preparava para fazer o almoço , recebo uma chamada da Isabel ...

NÃO. NÃO . NÃO . NÃO. Infinitamente NÃO.

Primeiro a negação e depois como uma bomba que explodiu de dentro de mim a REVOLTA.
Saí de mim expulsando-me até às entranhas . Depois pairei por aí como quem paira no limbo , num vazio imenso que me puxava e puxava e puxava.
Já expulsa de mim própria , por não me permitir viver sem ti , chamei a minha mãe para que me fizesse voltar a mim , pelo Mário ( com quem tanto te preocupavas e por quem , nestes últimos dois meses , tanto me partias a cabeça para que fosse contigo ao Montijo falar com a tua irmã para o inscrever num centro de dia , visto que faltam menos de dois anos para que faça 18 anos ).

Seguiram-se os telefonemas , os mails , as noticias ... e a inaceitável violência dos factos.

A pouco e pouco fui-me apercebendo que estávamos todos perdidos sem ti e que precisávamos uns dos outros , embora me faltassem as forças ...

Tentei encontrar essa força , com a ajuda de amigos , em vão... o vazio consumia-me ...

Mulher do “leme” , dos Xutos , dos Ferreiras , de todos nós , houve um momento em que realizei que sim , era verdade. Houve um momento em que tive de aceitar que tinha de te deixar partir em paz. Despedi-me à minha maneira , tu sabes.

Não foi de todo possível para mim , continuar junto a ti , já na igreja , porque eu morria por dentro e morria cada vez mais, sempre que chegava mais este ou aquele amigo , destroçado , sem amparo , tão ou mais perdido do que eu.
Fugi , não por cobardia , mas porque tinha de viver a minha dor longe de todas as outras dores.

A minha vida nos últimos 4 anos tem sido sempre a perder , mas contei sempre contigo para que ela voltasse a ter alguma cor.
Agora , sem ti , ela faz cada vez menos sentido e já nem a preto e branco é , mas prometo-te que vou lutar para que volte a ter alguma cor .

Sempre que olhar para o céu e para o mar azul , tu vais lá estar , junto daqueles que já lá estão contigo e que , tal como tu , estarão para sempre comigo.

O primeiro passo ( e muitos outros mais dificeis irei tentar dar ) foi voltar a vir aqui , onde , até há momentos , pensei ser impossível voltar.

Era por aqui que ias tendo noticias minhas ( os comentários vinham por telefone ou por desabafos com outros amigos , bem palavreados , porque não te telefonara a dizer que iria a Paris , por exemplo ).

Amiga , vou ter que aprender a viver de novo , mas sei que estás aí para me ajudar , como sempre. Espero não te desiludir.

Obrigada por tanto. Amo-te.

9 comentários:

Margarida disse...

Quando quiseres, se quiseres, espero que saibas que estou por aqui!
Beijinhos e boa coragem.

Pêndulo disse...

Ana

embora conhecesse a Marta desde 2003, e a minha relação com ela fosse perfeitamente diferente da vossa, também vou ter imensas saudades...

mas a Marta não era de ficar a lamentar-se... vai ser dificil não podermos contar com ela, para as pequenas coisas (oh Marta precisava que me arranjasses um livro... consegues?? -e ela conseguia sempre...), ou para as grandes coisas (e neste momento, a partida da Marta fez-me repensar se vale a pena encetar um novo projecto de vida...no ultimo ano sempre que nos viamos, ou trocavámos mails, deu-me todo o apoio...agora sem ela, sinto-me meio perdida... :( ).

eu tenho imensa dificuldade em aceitar a perda de alguém... e a da Marta está-me a custar imenso...

mas a vida não pára, e a Marta vai continuar sempre connosco... de outra forma... mas ela não deixava as pessoas de quem gostava...

"enquanto houver estrada para andar a gente vai continuar"... e a Marta acompanhar-nos-á.

Um grande beijo, Ana

Jana disse...

Um abraço "fechado" e outro e outro... todos os que precisares!

Pipa disse...

emocionas-me... es tão especial.

vais conseguir dar o passo em frente, a Marta vai-te ajudar, onde quer que ela esteja.

ontem no festival alive os Da Weasel fizeram-lhe uma homenagem, por todo o lado se sente como a Marta era uma pessoa das importantes.

como tu também és, precisamos de ti, e a cores como só tu sabes pintar a vida. estou sempre aqui, num abraço dos nossos. adoro-te.

fatima disse...

Minha querida Ana
Certezas dizem que nao ha, mas desta vez eu quero dizer que sim e dizer-te que tenho a certeza de que a Marta esta contigo e nunca te ira' deixar. Nao fiques triste porque tambem tenho a certeza que isso seria a ultima coisa que ela desejaria para ti. Celebra a vida e pensa que sempre que a celebrares ela vai estar ao teu lado feliz tambem.
Um grande beijinho com um abraco muito apertado e cheio de saudades, desde Macau, que gosta tanto de ti...fatima

Beguinha disse...

Aquilo que escreves transborda verdade e sentimento e, por isso, saio com o coração cheio, porque li um testemunho de amizade intemporal e sem qualquer tipo de fronteira, mesmo aquela que poderá existir entre o céu e a terra.

s3rendipity disse...

um beijo gigante de força infinita, não consigo não o deixar tal é a vontade de acalmar a dor... as palavras são vazias em momentos assim...

mas o amor, a amizade tão pura, tão rara... ficará para sempre.

coragem!

ruxa disse...

Ía precisamente a aproximar-me de ti quando te ouvi dizer para o lado "preciso sair daqui"... e deixei-te ir...
Era exactamente o que eu precisava mas tinha quem precisasse do meu apoio...

Mais uma estrela a olhar-nos lá de cima, a amparar-nos as quedas, a mandar-nos berros quando fazemos asneiras e a abrir o mapa e, sem sequer olhar, dizer: opah, é ali!

"A vida é sempre a perder" mas a Marta não vai permitir que te deixes ir abaixo. Bem pelo contrário, ela precisa de ti cá em baixo a mandar os vários barcos para a frente, Amiga!

Como o meu indio me disse: "Mãe, eu sei que é de dia e parece que não há estrelas mas ela está lá, não a vês mas ela está lá"

E só hoje tive coragem de te vir ler... sabia que me ía emocionar...

Um beijo

ruxa

Ana disse...

A todas , obrigada pela força.

A Macau e aos amigos de Macau, quero dizer que estou feliz por se terem conhecido. A Marta , tal como eu , ficou ligada a essa terra longíqua e vocês têm culpas no cartório.

Durante a noite ainda me perco e quando acordo nem sei bem onde estou e , por vezes , nem sequer identificar-me no tempo. Demora uns segundos... depois é levantar e retomar a vida a pouco e pouco , tendo por companhia a saudade.