quarta-feira, junho 13, 2007

Ainda para ti , amiga

A tua missa hoje foi bonita e estive bem junto a ti, de uma nova forma de estarmos as duas ( peço desculpa pelas lágrimas que não pude conter e que me corriam pelo rosto ).

A familia e os amigos têm sido muito importantes ( obrigada por tanto carinho ), tão importantes que estes dias tenho deixado para trás tudo ( afinal , o que é isso do tudo ? ) o que há para fazer , pois o que de facto importa é termo-nos uns aos outros e podermos , apenas , estar(mos), ser(mos).
Esta noite não fui festejar o Santo António ( também não o faço há anos ) , mas jantei com amigos no Assuka e de seguida fomos ao café do Maria Matos , onde apesar de não fazerem caiprinhas , lá me arranjaram uma bebida do género e finalmente bebi a “nossa” “caipirinha”.
Ao chegar a casa ( agora ) visitei o blog da Mafalda e não posso deixar de transcrever o seu mais recente post, que tanto me emocionou. É para nós :)

às vezes passamos pelos dias com tanta pressa, às vezes com tanta indiferença, que nos esquecemos disto que a vida, de vez em quando, nos obriga a aprender: cada momento importa como a vida inteira. cada momento que vivemos, que sentimos, que guardamos nos lugares mais entranháveis da nossa memória, nesses lugares onde somos quem nós somos de verdade, onde abraçamos e somos abraçados por quem fica quando às vezes não fica mais nada, as pessoas que amamos e que nos constroem, por dentro, que fazem que exista em nós, por dentro, um mundo que nos acolhe.
hoje sinto-me triste. mas quem é que não se sente triste, hoje? há uma pessoa, que é e será sempre uma pessoa nossa, que nos deixou. porque, directa ou indirectamente, mais perto ou mais longe, estamos juntos nisto. fazemos música, fazemos estrada, pomos tanta paixão nisto que fazemos que é a nossa vida que deixamos aqui. uns com os outros. a saber uns dos outros. a guardar-nos uns aos outros. a dizer-nos uns aos outros constantemente.
guardo da Marta óptimas recordações mas guardo, principalmente, saber dela muitas vezes porque ela disse qualquer coisa à Ana, porque ela ligou, porque ela achava isto ou aquilo de qualquer coisa e a sua opinião era mesmo muito importante. a Marta é tão forte dentro da vida da Ana como a Ana é forte dentro da minha vida. a Marta chegou, por dentro da vida da Ana, de uma forma tão afectiva, dentro da minha vida e hei-de guardá-la sempre, assim, em mim.



“ Eu vou guardar cada lugar teu , ancorado em cada lugar meu ... “

4 comentários:

Helena disse...

**)

Margarida disse...

No meu coração já "roubaste" um cantinho.

disse...

me too

Pêndulo disse...

...estou sem palvaras, Ana... já não vou cuscar o blogue da Mafalda há alguns dias... mas ler isto, depois da "enorme lição de vida" que ontem recebi por parte dos Xutos e dos técnicos em Alvaiazere, deixou-me... sem reacção...


a Marta continua connosco e ontem deu para ver isso... de uma forma diferente, mas continua presente...


um beijo, Ana