quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Nem sim , nem não , mas VOTO SIM

A interrupção involuntária da gravidez é um daqueles assuntos incontornáveis.
É uma realidade todos os dias , a todas as horas , minutos , segundos.
É uma decisão que só diz respeito à consciência de cada um. Consciência essa que terá de pesar inúmeros factores de tão diversas naturezas.

Especula-se demais sobre o assunto e moraliza-se ainda mais.
Os muitos movimentos do SIM e do NÃO por mais bem argumentados que sejam não vão mudar o sentir de uma mulher ( ou até mesmo e de preferência de um casal) que tem de tomar uma decisão sobre o levar a avante a sua gravidez ou não.
Os motivos pelos quais uma mulher engravida são tão díspares que não podem estar sujeitos a juízos de valor do SIM ou do NÃO.
Ninguém deve decidir se uma mulher deve interromper a sua gravidez ou que não o deve fazer.

Trazer a este mundo um filho tem de ser um acto de vontade e de amor incondicional.
Não apoio quem obrigue uma mulher a não interromper uma gravidez , tal como não apoio quem a obrigue a isso por , por exemplo , haver deformações no feto.
A mulher grávida deverá ser informada sobre os riscos da sua decisão , seja ela qual for , mas só ela sabe no seu íntimo qual a decisão a tomar e depois de tomada há que respeitar e ser solidário.

Respeito uma mulher que decida interromper a sua gravidez , tal como respeito uma mulher que decida ter um filho mesmo que o seu nascimento possa parecer à partida uma inconsciência.
Não posso é respeitar a inconsciência de trazer ao mundo um filho para que este seja abandonado numa qualquer valeta ou apareça morto vitima de abusos fisicos ou ...
Não posso é respeitar falsos moralistas que apregoando o direito à vida ou os designios de Deus ou outro ser transcendental , não entenda que ter direito à vida é poder vivê-la com dignidade.
Quantos maridos beatos não existem por aí que ainda espancam as mulheres por estas tomarem a pílula ? Mas se for preciso vão às p.... e nem usam preservativo !
Que raio de moralidade e de valores!

Eu voto SIM contra a hipócrisia !
Eu voto SIM contra as clinicas XPTO , dirigidas por senhores de “bom” nome que enriquecem à custa da falsa moralidade que tanto pregam.
Eu voto SIM contra a morte de tantas mulheres causadas por interrupções de gravidez feitas clandestinamente em condições totalmente desumanas.
Eu voto SIM contra a violência a que as mulheres estão sujeitas em clinicas clandestinas ou nas maõs de oportunistas ( tratadas depois nos hospitais civis , sob um falso diagnóstico , como se de criminosas se tratassem, mas para que não sejam criminalizadas ).
Eu voto SIM contra o ABORTO , palavra agressiva e depreciativa para designar um acto de consciência, que em democracia deveria ser respeitado.

Eu voto SIM para que a interrupção da gravidez seja legalizada , de forma a que todas as mulheres que tomem esta opção não sejam julgadas , nem condenadas e possam ter direito a um tratamento clinico adequado e que custaria bastante menos dinheiro ao estado do que já custa actualmente sendo ilegal.
Ninguém decide interromper uma gravidez pelo gosto que isso lhe possa dar e nenhuma mulher irá fazer tal opção apenas porque já é legal.
A legalização desta intervenção cirúrgica pode acabar com a mentalidade de “velhos do restelo" ( que paira passados mais de 500 anos sobre este nosso país ) e sempre que uma mulher tome a dificil e dolorosa decisão de o fazer , não terá ainda que viver com esse tipo de julgamentos.

Os apoiantes do NÃO criticam a morte de um feto ( exibindo imagens de um sadismo tremendo ) , mas parecem fechar os olhos à não vida de tanto ser humano que todos os dias encontramos na rua com frio, com fome , com... será isso vida ?

Eu voto SIM , pela vida com dignidade.

E desta vez tenho mesmo que conseguir votar . No último referendo estava em trabalho nos Açores ( na Terceira , nas Sanjoaninas ) e não tive voo de regresso para chegar a horas de votar. Desta vez estarei em Vinhais ( Bragança ) de véspera, também em trabalho , mas há que acordar cedo para chegar a Lisboa no domingo antes das 19h.

7 comentários:

yolanda disse...

Ana,

concordo c tudo o k dizes.

Eu tb vou votar pela despenalização.

Beijokas!!

Yolanda

Lídia Amorim disse...

eu sou do sim!

E espero k muitos portugueses votem sim!
Não pelo aborto, mas pela liberdade de escolha da mulher*/ Aliás, este referendo deveria ser só para mulheres|!

free speaker disse...

Bom dia,

Já sou leitora do seu blog há algum tempo e aproveito para lhe dar os parabéns, pois está muito bem conseguido.

Relativamente ao assunto do post,
apesar do meu sentido de voto não ser o seu, nem ser o seu contrário, a meu ver, muitos dos seus argumentos são válidos mas este:

Os apoiantes do NÃO criticam a morte de um feto ( exibindo imagens de um sadismo tremendo ) , mas parecem fechar os olhos à não vida de tanto ser humano que todos os dias encontramos na rua com frio, com fome , com... será isso vida ?

parece-me um tanto ou quanto abusivo. Também concordo que há "jogo sujo" na campanha tanto para um lado como para o outro, mas daí a dizer que os do Não, parecem fechar os olhos à não vida de tanto ser humano que todos os dias encontramos na rua com frio, com fome , com... ?!

PS: Não quero de forma alguma melindrá-la com este comentário.

Margarida disse...

Eu mãe de 3 filhos super desejados e que já passou pela terrível experiência de ter de dizer que não a uma gravidez, venho dizer-te Ana que não poderias ter dito melhor o que me vai na alma em relação a este referendo e à questão do aborto.
Eu também digo SIM!
Beijinhos

toni disse...

Não confundir os direitos de um feto com obrigar uma mulher a não abortar. Isso não existe nem existirá. Quando uma mulher percebe que está a braços com uma gravidez e não deseja minimamente esse filho (porque não tem posses, não tem parceiro,não tem capacidade psicologica,etc),já é tarde, o feto já lá esta.Espero que toda a gente perceba que O aborto vai continuar a existir.Pode-se argumentar que á que dissuadir a mulher de abortar - estou de acordo mas esse será um processo que levará anos a formar seres humanos que não caiam no erro de engravidar sem o desejarem.
Porque é que em Africa vemos aquelas mulheres com duzias de filhos sem sequer condições para elas próprias? São variados factores que levam a isso - aculturação total (tanto da mulher como do parceiro, e por vezes egoismo do parceiro) e pobreza (extrema ou não).
Os governos tem um papel fuñdamental, mas raramente funcionam a nivel de apelo á prevenção (e ai acho por negligencia).
Acho hipocrita alegar o direito á vida porque eu sou pai e vou votar sim, (assim como muita gente que como eu tem filhos e é feliz com eles principalmente porque os desejou e lhes deu condições a existirem com dignidade).
Acho hipocrita alegar o direito á vida como se eu não sobesse que a vida é preciosa e tivesse um desejo perverso na interrupção da gravidez.



Pela evolução da humanidade voto sim com o desejo que todos nós e os governos dos paises consigam acabar com a interrupção voluntaria da gravidez.



Toni Pinto

Ana disse...

Free speaker , cada um com direito à sua opinião e decisão.

Talvez seja um pouco abusivo , sim , mas é assim que eu sinto sempre que vejo o uso e abuso de certas imagens. Revolta-me.
É claro que ao referir-me aos apoiantes do NÃO , referia-me aos do movimento e não aos eleitores comuns.

E este é um assunto delicado que cada um sente como sente , mas não pude evitar falar sobre o que eu sinto.

É sempre bem vinda.

Ana disse...

Já agora , lamento que os portugueses continuem a não ter opinião na altura de votar . No entanto , quando é para criticar estão sempre prontos. Que gente é esta que deixa o seu futuro nas mãos dos outros ? Bem , desta vez , o resultado das eleições coincidiu com o meu voto. Menos mal...