quinta-feira, setembro 27, 2007

O que faz uma bela lua e um pôr do sol

Hoje não passei o fim do dia fechada no escritório.
Saí mais cedo para uma reunião / jantar lá para os lados de Belém e resolvi fazer a viagem junto ao rio , porque é sempre bom estar junto à água e ver um pouco mais do que cimento à volta.
Mas de repente , aquela que seria uma mera viagem de carro de um lado para o outro da cidade , tornou-se num momento muito breve , mas tão especial...
A lua , cheia , estava enorme sobre o rio , com uns tons amarelos alaranjados. De prender a respiração. De fazer soltar a imaginação de um bom escorpião.
E o ceú , mesmo ali à minha frente , tinha umas cores mágicas ... azuis de principio de noite , avermelhados e rosas. Uma tela pincelada de tons aconchegantes.
E junto a Santa Apolónia lá estava mais um cargueiro açoriano . Hoje não era o São Gabriel , era o Corvo . Barcos que transportam mercadoria e com ela sabe-se lá que histórias de vida...
A cada pára / arranca e sempre a tentar cumprir o limite de velocidade ( o que não é fácil , mas que com toda esta envolvência até se torna possível ) a minha alma foi-se alegrando ( porque eu gosto mesmo desta transição do dia para noite ) e cheguei ao destino com outro ânimo.
O encontro na esplanada , o jantar e a conversa foram bons e importantes.
O regresso a casa , sempre , mesmo que sem a companhia idealizada para uma noite como a de hoje.
E um fim do dia assim faz-nos relativizar tanta coisa ...

2 comentários:

MiguelGomes disse...

Por vezes, os nossos percursos parecem desenhar folhas de banda-desenhada, em que os nossos pensamentos moldam a paisagem...
Confesso que Lisboa para mim, rapaz do Porto, mete-me confusão, mas vi, agora, pelas tuas palavras, que a Lua e as histórias são as mesmas em qualquer cidade do mundo.

Tomei a liberdade de deixar um link no meu blog para "aqui".

Fica bem.

Mar disse...

Ana, aqui um muito e MUITO OBRIGADA da Tess e da mãe da Tess (Elisa) pelo privilégio que nos concedeu. Um beijinho muito grande*